Bem-estar animal

Rastreios de Saúde Animal

Rastreios de Saúde Animal

Rastreios de Saúde Animal

image185

Esterilização

Rastreios de Saúde Animal

Rastreios de Saúde Animal

image186

Pulgas

Rastreios de Saúde Animal

Saúde Infantil

image187

Saúde Infantil

Alimentação do seu animal de estimação

Saúde Infantil

image188

Alimentação do seu animal de estimação

Alimentação do seu animal de estimação

Alimentação do seu animal de estimação

image189

Tópicos sobre cavalos

Alimentação do seu animal de estimação

Alimentação do seu animal de estimação

image190

Rastreios de Saúde Animal

image191

Ao contrário das pessoas, os cães e os gatos "não se queixam" quando se sentem mal ou desconfortáveis. Para além disso, existem muitas doenças que não provocam quaisquer sintomas na fase inicial.


Por estas razões, criámos vários programas de saúde preventiva na nossa clínica.


Os animais envelhecem cerca de sete vezes mais rápido do que nós, por isso consideramos que um cão com sete anos equivale a uma pessoa com 50 anos. A partir desta idade, recomendamos que o seu cão faça análises clínicas regulares, para verificar os níveis de colesterol, de antigénio prostático, de hormonas tiroideias e a pressão sanguínea.


Podemos fazer o rastreio de saúde (exame físico completo) quando traz o seu cão para a vacinação anual. Recolhemos uma pequena amostra de sangue e de urina, para realizar um hemograma e verificar o funcionamento do fígado e dos rins.


O rastreio de saúde animal é fundamental na deteção de doenças em estados iniciais, para que possamos intervir rapidamente para tratar e reverter o problema identificado, antes que cause danos irreversíveis. 

Planos Geriátricos para animais de estimação

O rastreio de saúde animal é uma medida simples e eficaz para garantir a saúde e bem-estar dos seus animais de estimação mais velhos. Detetar um problema numa fase inicial permite uma intervenção precoce, aumentando a probabilidade de o tratamento ser bem-sucedido e permitindo a prevenção de eventuais problemas futuros.


Os cuidados preventivos ajudam a garantir que o seu animal de estimação seja saudável e ativo por mais tempo. É uma medida fácil e eficaz para assegurar que o membro de quatro patas da sua família não parte prematuramente.


Não queremos que o seu animal sofra com um problema que poderia ter sido evitado com um simples teste. 

Animais com mais de sete anos de idade têm maior probabilidade de desenvolver doenças relacionadas com o envelhecimento.


Por exemplo, sabia que antes de apresentar sintomas visíveis de insuficiência renal, o seu animal já perdeu cerca de 75% da função renal? Não é possível reverter os danos nas células renais porque estas não regeneram, no entanto, se identificarmos os problemas numa fase inicial conseguimos salvar muitas das células que provavelmente morreriam.


Criámos vários planos de saúde preventiva para os nossos pacientes especiais. Criámos estes planos para promover uma relação próxima entre os donos e a nossa clínica, para que juntos, ajudemos o seu animal de estimação a ter uma vida longa e feliz. A adesão aos nossos planos é gratuita. As consultas também incluem aconselhamento sobre necessidades nutricionais, saúde oral e prevenção de parasitas em pacientes seniores.

 

Como diz o velho provérbio, mais vale prevenir do que remediar!

Plano Geriátrico 1

O Plano Geriátrico 1 inclui consultas e exames médicos completos regulares. Também inclui:


  • Um exame bioquímico ao sangue (para detetar doenças hepáticas e/ ou renais);
  • Verificação dos níveis de eletrólitos (para detetar doenças endócrinas);
  • Um hemograma completo (para detetar eventuais anemias e leucemias);
  • Exame dos níveis de hormonas tiroideias (T4) (Para detetar distúrbios como o hipo e o hipertiroidismo, que são comuns em animais de estimação mais velhos);
  • Medição da pressão arterial;
  • Análises à urina (para detetar doenças renais ou na bexiga).


Este conjunto de exames custa menos de 100 € (incluindo as diversas consultas).

Plano Geriátrico 2

O Plano Geriátrico 2 inclui tudo aquilo que o Plano Geriátrico 1 e ainda:


 •   Ecografia abdominal

Uma ecografia abdominal completa permite visualizar todas as estruturas e órgãos do abdómen.  Podemos detetar tumores e quistos que não eram conhecidos. As biópsias guiadas por ultrassom podem ser realizadas simultaneamente.


Já salvámos as vidas de muitos cães porque encontrámos tumores benignos no baço durante uma ecografia de rotina. Estas massas esplénicas crescem continuamente e rebentam espontaneamente, matando o animal por hemorragia interna. Parece um pouco dramático, e é.


Encontrar um tumor esplénico numa ecografia de rotina é muito gratificante, pois significa que podemos removê-los cirurgicamente, antes que rompam e causem hemorragias significativas. 


•    Radiografia ao tórax  

Os principais órgãos internos da caixa torácica são o coração e os pulmões. As radiografias ao tórax podem detetar um aumento do coração, que pode ser responsável por uma condição assintomática. A piroplasmose (verme do coração) também pode ser detetada através da observação da forma do coração numa radiografia. Esta doença pode ser tratada antes que seja fatal.

 

Este parasita também pode ser encontrado nos pulmões.  Uma radiografia pode fornecer-nos muitas informações sobre o estado dos pulmões, nomeadamente, a eventual presença de cancros primários ou secundários, bronquites, piroplasmose ou problemas de asma.


O Plano Geriátrico 2 custa pouco menos de 160 €.


Para motivarmos as pessoas a aderirem a estes planos de saúde preventiva, ambos incluem mais de 30% de desconto sob o preço normal dos procedimentos


É raro fazermos um exame geriátrico completo e não encontrarmos nenhuma anormalidade!


Não se esqueça de que a deteção e intervenção numa fase precoce são fundamentais para um tratamento bem-sucedido. Tudo o que pudermos fazer para ajudar a prolongar uma vida saudável e feliz do nosso melhor amigo é tempo bem gasto.

Plano de Obesidade

Também temos um plano de saúde para animais com excesso de peso, o Clube de Obesidade.

 

A obesidade não é fofinha e afeta seriamente o corpo e a saúde do seu animal de estimação. Os animais obesos são mais propensos a desenvolver diabetes, pancreatites e doenças de pele, e claro que todos os animais que já tenham artrite ou problemas de costas vão sofrer cada vez mais.

 

Os donos adoram que os seus cães e gatos permaneçam “jovens” durante toda a sua vida, capazes de brincar e correr até ao dia da sua morte. Um gato ou um cão obeso pode estar muito aconchegado no sofá, mas perde a diversão toda da vida.


Animais obesos morrem mais cedo do que animais saudáveis, esta morte precoce pode ser provocada pelas doenças supracitadas ou pelas condições secundárias que o peso provoca e que podem obrigar ao abate do animal.


Quando um animal adere ao nosso plano, realizamos todos os exames necessários para detetar qualquer doença relacionada com o excesso de peso, como, por exemplo, hipotiroidismo. Realizamos um exame físico completo e medimos a pressão arterial.


Os animais com excesso de peso que aderem ao nosso plano têm consultas regulares para monitorizar o seu estado de saúde e controlar o peso. Todos os animais têm uma ficha para registar a sua evolução ao longo do tempo.

Esterilização

image192

Recomendamos que TODOS os animais não reprodutores sejam esterilizados aos seis meses de idade  


O sistema cardiovascular está completamente desenvolvido aos cinco meses de idade e a “puberdade” começa entre os nove e dezoito meses (às vezes mais cedo).

O cancro da mama em cadelas é altamente influenciado pela idade da esterilização:


  • Se a esterilização for feita antes do primeiro cio (ou “calor”), o risco de desenvolver cancro da mama é de 0,5%.


  • Se for feita depois do primeiro cio, o risco aumenta para cerca de 4%;


  • Depois de dois cios, o risco aumenta para 14%;


  • Depois do terceiro cio, o risco aumenta para 26%;


  • Depois disso, as vantagens preventivas da esterilização já não são significativas.


  • Recomendamos a esterilização aos seis meses de idade porque nos cães o cancro da mama é maligno em cerca de 50% dos casos, e o desenvolvimento de metástases é muito comum.


  • Uma cadela esterilizada nunca vai desenvolver piometra. Piometra é uma condição fatal, provocada por uma infeção no útero.


  • Uma cadela esterilizada nunca vai desenvolver cancro nos ovários.


A incontinência não é um risco significativo, mas perdas de urina são muito comuns e ocorrem devido à diminuição do tónus muscular nos músculos da uretra e da bexiga.


Muitas pessoas apresentam esta possibilidade como uma razão para não esterilizar uma cadela. Os factos são: 


  • Depois da esterilização antes do primeiro cio, cerca de 9,7% das cadelas (206 cães) apresentaram problemas de incontinência urinária. Se a esterilização for feita depois do primeiro cio, cerca de metade das cadelas acabam por ter este problema. A incontinência afetou cerca de 12,5% das cadelas de porte médio e grande (>20 kg) e 5,1% das cadelas de pequeno porte (<20 kg). O tipo de procedimento cirúrgico realizado não teve qualquer influência nestes resultados.  


Estes problemas também ocorrem em gatos apesar de não terem um impacto tão grande. 


A castração masculina (em cães e gatos) é recomendada para:


  • Diminuir a agressividade e confrontos com outros cães e gatos;


  • Diminuir a micção/ marcação do território na sua casa;


  • Diminuir a probabilidade de serem agressivos com outras pessoas e animais;


  • Elimina a probabilidade de desenvolverem cancro nos testículos;


  • Diminui a probabilidade de incidência de doenças da próstata;


  • Ajudar a controlar a população de animais selvagens, responsabilidade social de todos. Um gato ou um cão conseguem cheirar uma fêmea com o cio a cerca de 10 km de distância. Ao castrar os seus animais, garante que estes não vão fugir e engravidar um animal selvagem, ajudando a controlar a população.


  • Quando os machos perseguem cegamente “o cheiro” de uma fêmea, correm maior risco de ser atropelados.

Incentivamos todos os donos responsáveis a proceder à esterilização dos seus animais, a menos que pretendam que eles procriem.

 

Diminui o risco de desenvolverem cancro ou outras doenças e apazigua vários problemas comportamentais e sociais.


Se cuida ou alimenta um cão, ou gato vadio, podemos esterilizá-lo sem qualquer custo associado. Entre em contacto connosco e trataremos de tudo.


Na nossa clínica também disponibilizamos serviços de castração de cavalos.


Se pretender mais informações sobre esterilização de animais de estimação, por favor contacte-nos.

Pulgas

image193

As pulgas constituem um grave problema de saúde para cães e gatos. As pulgas sugam o sangue do seu animal e a sua picada pode transmitir organismos e provocar dores e irritação, para além disso, também podem provocar uma doença grave chamada Dermatite Alérgica à Picada de Pulga. De facto, as pulgas provocam mais problemas de pele em cães e gatos do que todos os outros fatores juntos. O seu animal pode estar a sofrer com dermatite alérgica relacionada com a picada das pulgas mesmo que lhe pareça que eles não têm pulgas! 

O ciclo de vida da pulga

É possível controlarmos a população de pulgas. Temos de compreender o ciclo de vida da pulga para sabermos como interrompê-lo.


A pulga começa por ser um ovo...


Em alguns dias, o ovo choca e nasce uma pequena larva peluda. Estas larvas vivem nas camadas inferiores dos tapetes, da roupa de cama e do soalho, alimentando-se de material orgânico, como migalhas e fezes de outras pulgas.


Mais tarde, formam uma pupa (casulo), dentro da qual a nova pulga adulta se desenvolve.


A pupa oferece proteção à pulga, e ela consegue sobreviver lá dentro durante seis meses. Esta pupa fica escondida nos tapetes ou na relva e é resistente a inseticidas.


Sob as condições certas, a pulga adulta emerge da pupa. Para que isto aconteça, é necessário que haja calor, humidade e vibração (criada pelo movimento de animais e pessoas). A jovem pulga apercebe-se de um animal que passa por ali e salta para cima dele.

  

  • As pulgas podem viver até três meses na sua fase adulta.


  • O ciclo de vida completo da pulga pode demorar apenas três semanas, e meia dúzia de pulgas podem transformar-se em centenas. Durante o inverno, as pupas podem sobreviver ao ar livre, permanecendo latentes durante meses, mas não param de se multiplicar e estão prontas a eclodir assim que as condições forem ideais.


  • As pulgas adultas representam apenas 5% da população total que existe na sua casa. São só a “ponta do iceberg”.

Então, como é que as podemos controlar?

Um controlo de pulgas eficaz e a longo-prazo envolve:


  1. matar as pulgas adultas que estão nos seus animais de estimação.
  2. eliminar as outras fases de maturação que se encontram no ambiente.


É fundamental tratar todos os cães e gatos da casa, mesmo que pareça que não têm pulgas.


Primeiro, apresentamos-lhe os diversos produtos que pode utilizar para atingir estes dois objetivos. Depois, avaliamos a gravidade do problema de pulgas que enfrenta e recomendamos-lhe os produtos que melhor se adequam à sua situação.


As fases de maturação que se encontram no ambiente podem ser muito mais difíceis de eliminar. As pupas são resistentes a todos os produtos químicos.


É importante lavar regularmente a roupa da cama do seu animal.


Pendurar as mantas e as almofadas no exterior, onde apanhem luz solar (raios UV) irá eliminar TODAS as etapas do ciclo de vida das pulgas. 

Inseticidas para eliminar pulgas adultas

Os produtos mais eficazes são seguros e têm uma ação residual prolongada, o que significa que continuam a eliminar pulgas por muito tempo depois de serem aplicados 


Recomendamos:


  • Comprimidos, como Bravecto®, que devem ser administrados regularmente (a cada três meses).


  • Pipetas antiparasitas como Advantix®, Advocate® ou Revolution®. Basta aplicar uma pequena quantidade de líquido na pele da parte de trás do pescoço do seu animal de estimação. Estes produtos permanecem na pele do seu animal durante quatro semanas e são à prova de água.


  • O Frontline Spray® é o inseticida mais eficaz para a eliminação de pulgas adultas, e deve ser aplicado por todo o corpo do animal. A proteção dura entre seis e oito semanas em gatos e pode durar até três meses em cães, mas a eficácia do produto diminui com o tempo.


  • Comprimidos Capstar®, uma maneira fácil e rápida para eliminar as pulgas do seu animal de estimação. Uma única dose mata a maioria das pulgas do seu animal de estimação em cerca de 30 minutos, mas não tem ação residual. É muito útil quando introduz um novo animal de estimação na sua casa. 


Estes produtos também ajudam a controlar as fases de maturação que existem no ambiente. Pequenas quantidades dos produtos também ficam na cama do animal e matam ovos e larvas de pulgas.


Infelizmente, nenhum inseticida é 100% eficaz.


Muitas pessoas expulsam imediatamente o seu cão ou gato assim que detetam um problema de pulgas, mas um animal de estimação que tenha um destes produtos atrai pulgas para si, provocando a morte de mais pulgas. O seu animal transforma-se numa “armadilha andante”. 

Eliminar todas as fases das pulgas do ambiente

Recomendamos:


  • Spray de superfície Staykill®


  • RIP surface®


Estes produtos têm atividade residual, diminuindo a eclosão de pulgas adultas das pupas.


Normalmente, não recomendamos: pós anti pulgas; lavagem com lã, qualquer champô que contenha fosfatos orgânicos, eucalipto ou óleos de folha de chá; nem comprimidos que contenham citioato ou alho.

Programas recomendados para controlo de pulgas

image194

Podemos adaptar um destes programas de controlo de pulgas, utilizando produtos que melhor satisfaçam as suas necessidades e não ultrapassem o seu orçamento. Em seguida, pode encontrar as nossas recomendações mais frequentes.

Prevenção de pulgas e problemas leves a moderados

Cães:

Administrar Bravecto® a cada três meses ou aplicar Advantix®/ Advantage®/ Activyl® na parte de trás do pescoço do animal todos os meses.


Gatos:

Administrar Bravecto® a cada três meses ou aplicar Frontline® ou Advantage® todos os meses.

Infestações de pulgas consideradas graves

Para além do tratamento já descrito:


Aspire toda a casa minuciosamente, não esquecendo os tapetes, os tecidos de decoração e todos os recantos da casa. Depois, desinfeste a casa com nebulizadores e sprays de superfície. Certifique-se de que aplica estes produtos debaixo dos móveis, atrás dos sofás e nas almofadas (se o seu animal de estimação for um sortudo!). A maioria dos sprays de superfície têm pouca ação residual, por isso, volte a aplicar o spray semanalmente durante três a quatro semanas. Se preferir, também pode utilizar o spray Staykill®, que tem ação residual por vários meses e que elimina todas as pulgas que eclodem e aparecem no meio ambiente.


E não se esqueça:

  • Trate todos os cães e gatos da casa.
  • Mantenha a prevenção contra pulgas durante todo o ano.
  • Leia atentamente e siga as instruções dos produtos. 
  • Se tiver qualquer dúvida, não hesite em contactar-nos

Saúde Infantil

image195

Tal como acontece com as crianças (e os bebés), os primeiros meses da vida de um cão são os mais importantes e é nesta altura que são mais vulneráveis a doenças e parasitas. À medida que crescemos, o nosso sistema imunológico desenvolve-se e aprende a responder às ameaças exteriores. Os animais jovens ainda não foram expostos a agentes patogénicos do meio ambiente, em conjunto com o seu tamanho reduzido, faz com que sejam mais vulneráveis a doenças.


Na Clínica Veterinária de Lagos, conhecemos e disponibilizamos todos os medicamentos profiláticos necessários para que o seu animal tenha o melhor começo de vida possível. Se tiver qualquer dúvida sobre este tópico, teremos todo o gosto em esclarecê-lo.


É importante que o seu animal seja acompanhado desde tenra idade, pois nesta fase da vida podemos prevenir muitas doenças futuras. Todas as categorias que apresentamos em seguida são fundamentais para assegurar a saúde de todos os cães.

Vacinação

Os cães podem contrair e sucumbir a infeções virais contra as quais os vacinamos. Mesmo com o tratamento adequado, os cachorros têm muito mais probabilidade de sucumbir a estas infeções porque são imunologicamente ingénuos.


As nossas vacinas de rotina incluem imunização contra Esgana, Parvovirose, Hepatite, Vírus de Parainfluenza e Leptospirose.


O ciclo de vacinação inicia-se às oito semanas de idade e termina doze semanas depois. Se a exposição ao vírus da parvovirose for uma preocupação específica (por exemplo, em épocas de surto ou em determinadas áreas), a vacinação pode ser iniciada mais cedo (às seis semanas).


As vacinas devem ser administradas anualmente para manter a imunidade a estas doenças.


A vacinação anual contra a raiva é um requisito legal para todos os cães pertencentes a quem tem residência em Portugal.


Se deseja viajar internacionalmente com os seus cães, a vacinação contra a raiva também é essencial para a obtenção de um passaporte de animais de estimação.


A vacinação contra a Leishmaniose e a Dirofilariose também são altamente recomendadas para todos os cães residentes em Portugal. Os cachorros podem receber estas vacinas aos seis meses de idade.


Também disponibilizamos e recomendamos a administração da vacina contra a tosse de canil antes de deixar o seu animal num abrigo ou hotel, muitos canis não aceitam animais que não tenham esta vacina. A vacina que administramos na Clínica Veterinária de Lagos comprovou ser eficaz a partir do terceiro dia após a administração da mesma.


Também existe uma vacina contra a Piroplasmose (Babesia canina), um parasita que invade os glóbulos vermelhos e provoca anemia grave e possível morte se não for devidamente tratada. A Babesia é um parasita sanguíneo, transmitido por carraças e uma das possíveis causas da “febre da carraça”. Existem quatro parasitas diferentes que podem provocar febre da carraça, mas, infelizmente, a Babesia é o único organismo contra o qual existe uma vacina. 

Nutrição

Os cachorros têm necessidades nutricionais muito diferentes das dos cães adultos


Necessitam de proteínas e hidratos de carbono para se desenvolverem, mas também de cálcio, fosfato, ferro e vitaminas, incluindo folato. Para além disso, a comida deles tem de ter tudo isto de forma mais concentrada porque têm estômagos mais pequenos. Os cachorros devem ser alimentados três vezes por dia até aos três ou quatro meses, e depois duas vezes por dia até aos seis meses. A partir dos seis meses já não devem comer comida para cachorros.


Uma dieta nutritiva é ainda mais importante nesta fase de desenvolvimento, podem surgir vários problemas de crescimento se o seu cão não tiver uma dieta equilibrada no início de vida. As marcas líderes de mercado em nutrição canina são a Royal Canin® (com a qual trabalhamos) e a Hills®. Fornecer uma alimentação da mais alta qualidade ao seu cachorrinho diminui o risco de ele desenvolver problemas de crescimento e dá-lhe o melhor início de vida possível, etapa em que o sistema imunológico e os órgãos principais se desenvolvem.

Parasitas

As lombrigas (nemátodes e tricurídeos) e ténias (céstodes) são os principais tipos de parasitas intestinais que provocam doenças em cães.


Estes parasitas podem ser transmitidos da mãe para o filho quando este ainda está dentro do útero. As larvas são excretadas no leite das cadelas, por isso, os cachorros também estão expostos a estes parasitas durante a alimentação. Estes parasitas provocam anemia grave e hipoproteinemia nos cachorros, e sem intervenção médica acabam por causar a morte do animal.


Todos os cães devem ser desparasitados regularmente, mas os cachorros devem ser desparasitados com mais frequência devido ao seu contacto reduzido com parasitas.

 

Recomendamos que desparasite o seu cachorro às seis, oito, dez e doze semanas de idade. Depois disso, deve desparasitá-lo todos os meses até aos seis meses. Após os seis meses, os cachorros podem ser desparasitados com a mesma frequência que os cães adultos, a cada três meses. No entanto, à medida que os cães envelhecem e desenvolvem imunidade inata a parasitas, a frequência de desparasitação pode ser reduzida, adaptando-se às necessidades individuais do animal, e tendo em conta o risco de exposição e o meio que o rodeia.


Os cães mais velhos são mais vulneráveis a contrair parasitas intestinais. Sangue nos excrementos, movimentos desamparados e perda de pesa são sintomas comuns desta doença.


Também deve ter consciência de que as larvas expelidas nas fezes do cão podem infetar os humanos, quer por via oral, quer por absorção direta pela pele. Estas larvas podem deslocar-se através da pele e dos órgãos vitais do ser humano, provocando doenças muito graves. Mais uma vez, os mais jovens são mais vulneráveis a este tipo de contágio.


Uma nota final sobre parasitas: qualquer cão que viaje para o Reino Unido ou para a Irlanda tem de ser desparasitado por um veterinário antes de poder viajar. Estas medidas são obrigatórias para evitar a disseminação da ténia hidatídica, Echinococcus granulosus. A ténia hidatídica não é tão comum como era, mas se for acidentalmente ingerida por humanos forma quistos nos órgãos vitais do indivíduo, incluindo no cérebro.


Não é nada agradável. 

Socialização

Este tópico é muito extenso e existem diferentes pontos de vista que podemos adotar. Em seguida, vamos focar apenas alguns dos pontos principais mais básicos.


Os cachorros são as crianças da “matilha”, têm de aprender desde pequeninos que estão no fundo da (sua) hierarquia social; isto inclui estar abaixo dos seus filhos e dos seus amigos. Um cão fica sempre feliz com a sua posição na hierarquia, desde que esteja devidamente esclarecido sobre o lugar que ocupa. Se o seu cachorro crescer a achar que é superior aos outros, irá ter graves problemas comportamentais, tanto com outros cães como com pessoas ou crianças.


Você é o líder da matilha, e a sua atitude perante uma situação vai influenciar o comportamento do seu cachorro. Quando um cachorro fica assustado numa situação não ameaçadora, é fundamental que se comporte de forma calma, sem expressar qualquer reação, não deve acalmar nem castigar o animal. Comportamentos deste tipo só vão incentivar uma resposta de medo quando a situação se repetir. Os cachorros vão imitar o que o líder da matilha fizer. Por muito que lhes queira dizer o que fazer... eles não compreendem português. Nem sueco. Nem inglês. Acreditem, há anos que tento ensinar os meus cães.


Portanto, os cachorros só aprendem através da experiência. É importante que o seu cachorro socialize com outros cães à medida que cresce. Tendo em conta o regime de vacinação dos outros cachorros, pode iniciar estes encontros sociais entre as oito e as doze semanas, isto vai ajudar o seu cachorro a entender as relações sociais caninas. O melhor local para um encontro entre dois cães (ou cachorros) é um território neutro, não marcado, para que nenhum deles sinta que o seu território está a ser “invadido por estranhos”. Mais uma vez, a sua atitude perante a situação é fundamental; se estiver preocupado, o seu cachorro também ficará preocupado. Portanto, seja positivo, mantenha-se calmo e não lhes dê muita atenção porque, tal como as crianças, eles gostam de brincar uns com os outros.


Como mencionei no início, este tópico é mesmo muito extenso, mas para ter um cão bem-comportado é fundamental fazê-lo perceber que está no nível mais baixo da hierarquia social e manter a calma em todos os encontros sociais. 


Na realidade, os cachorros não são muito diferentes das pessoas.

Alimentação do seu animal de estimação

image196

Um dos tópicos mais abordados pelos donos em consulta é a alimentação dos seus animais de estimação. Os donos podem ficar confusos com as inúmeras opções disponíveis no mercado. Costumo comparar a comida para animais com o vinho, para ter o melhor, tem de estar disposto a gastar um pouco mais.


Somos o que comemos, apesar de a comida mais barata atender a maior parte das necessidades nutricionais do seu animal, também podem conter ingredientes de enchimento que podem não ser tão saudáveis. Corantes artificiais e adoçantes podem provocar problemas de saúde e alterar os padrões de comportamento.


Aparecem muitos cães idosos na nossa clínica com doenças graves no fígado e nos rins ou com diabetes, e estes problemas poderiam ter sido evitados com uma alimentação de melhor qualidade. 

Idade

O fator mais importante na escolha da alimentação do seu cão é a idade. Os cachorros e os gatos bebés têm necessidades nutricionais muito específicas. Eles precisam de proteínas e hidratos de carbono para se desenvolverem, mas também de cálcio, fosfato, ferro e vitaminas, incluindo folato. Para além disso, a comida deles tem de ter todas estas substâncias de forma mais concentrada porque têm estômagos mais pequenos.


Os cachorros devem ser alimentados três vezes por dia até aos três ou quatro meses e depois duas vezes por dia até aos seis meses. A partir dos seis meses já não devem comer comida para cachorros.


Normalmente, os animais de estimação mais velhos não precisam de tantas proteínas e hidratos de carbono, mas sim de mais fibras. As suas necessidades mudam porque o seu metabolismo é mais lento e o trato intestinal perde grande parte do seu tónus. Se a marca de comida que compra não tem as necessidades nutricionais específicas que a idade do seu cão exige, é provável que não valha o dinheiro que está a gastar.


Tal como as pessoas, os animais mais ativos precisam de uma dieta que contenha mais calorias e proteínas, incluindo os mais velhos. Os animais menos ativos devem ter uma dieta calórica restrita para prevenir a obesidade.


A obesidade é um problema muito comum nos animais domésticos e não deve ser considerado “fofo”. Existem muitas doenças que estão diretamente ligadas à obesidade, nomeadamente, doenças hepáticas e respiratórias, diabetes, pancreatite, artrite e dermatite. Estas doenças não são nada fofas.


Algumas pessoas preferem preparar a comida dos seus animais, mas satisfazer as necessidades nutricionais do seu animal de estimação pode ser mais difícil do que parece. Uma dieta completa tem de incluir todos os minerais essenciais, aminoácidos, ácidos gordos e vitaminas. Se pretender fazê-lo, consulte o seu veterinário para ser aconselhado sobre as necessidades nutricionais do seu animal.


Pessoalmente, adoro macarrão instantâneo, mas sei que se a minha alimentação fosse baseada neste tipo de comida, as minhas artérias iriam explodir. Da mesma forma, não são as papilas gustativas do seu cão que devem decidir qual a comida mais saudável para ele. Costeletas de borrego grelhadas no churrasco já provocaram a morte de muitos cães, e não foi por não serem saborosas.


A alimentação do seu cão deve ser saudável e equilibrada.


Existem alguns alimentos que são expressamente proibidos.


Nunca dê ao seu cão:

  • Chocolate - o chocolate preto pode provocar a morte;
  • Gordura (como, por exemplo, numa costeleta de borrego ou tira de bacon) - provoca pancreatite;
  • Ossos cozidos (normalmente, os ossos crus não fazem mal) - podem-se desfazer em lascas e danificar os intestinos. 
  • Passas, sultanas e uvas - podem provocar insuficiência renal.
  • Pastilhas elásticas ou Rennie® - qualquer coisa que contenha xilitol pode causar insuficiência hepática.
  • Cebola ou alho cru - podem provocar anemia.
  • Nozes de macadâmia - podem provocar problemas neurológicos.

Gatos

Os gatos têm necessidades nutricionais ainda mais específicas, principalmente porque são quase estritamente carnívoros. Como nos dizem na faculdade “os gatos não são cães pequenos”.  Certifique-se de que alimenta o seu gato com comida de boa qualidade (não comida de cão!) e converse com o seu veterinário sobre as necessidades nutricionais específicas do seu animal.


Confecionar a comida para o seu gato em casa é um verdadeiro desafio, consulte um veterinário para ter a certeza de que lhe fornece uma alimentação adequada.


Regra geral, as melhores opções de alimentação para os seus animais de estimação são vendidas nas clínicas veterinárias. As marcas líderes de mercado (Hills®, Royal Canin® e Specific®) produzem dietas específicas que são vendidas exclusivamente nas clínicas veterinárias. Estas dietas específicas fornecem a nutrição ideal ao seu animal, e agem como medidas de saúde preventivas. As fórmulas de crescimento também diminuem a possibilidade do seu animal desenvolver doenças relacionadas com o crescimento ósseo e ajudam a manter a saúde oral, a prevenir a formação de cálculos na bexiga, e a controlar o peso e as alergias alimentares. Algumas destas dietas são feitas para raças específicas e minimizam o impacto de doenças diretamente relacionadas à mesma. Tal como acontece na vacinação, mais vale prevenir do que remediar. Estas empresas alimentícias também produzem dietas específicas que têm como objetivo prevenir várias doenças, e que também são fundamentais no tratamento de várias doenças, nomeadamente, de fígado, rins, bexiga e de pele. 


O seu veterinário pode aconselhá-lo acerca da melhor dieta para o seu animal de estimação.

Saúde Oral

Uma nota final sobre saúde oral: na natureza, os dentes dos animais são limpos pela abrasão provocada pela mastigação de ossos. A ração macia não tem o poder de limpar os dentes, pelo que os animais que só consomem este tipo de comida vão desenvolver problemas de saúde oral. Incluir ração seca na alimentação do seu animal vai ajudá-lo a manter os dentes limpos, e esta limpeza será ainda mais eficaz se utilizar produtos dentários específicos.


Muitos dos produtos disponíveis não oferecem vantagens para a saúde oral do seu animal. Na nossa clínica disponibilizamos barritas dentárias que contêm enzimas, e que ajudam a manter os dentes limpos e a minimizar a aderência de tártaro.


Também temos dois produtos novos que são feitos à base de plâncton, estes produtos são um pó que se coloca na comida dos cães e que se concentra nas glândulas salivares. Quando os cães mastigam, os produtos químicos ricos em clorofila ficam concentrados na boca do animal e impedem a formação de placa bacteriana.


Consulte o seu veterinário se suspeitar que o seu animal tem qualquer problema dentário, estas doenças podem provocar vários problemas em diversos órgãos por todo o corpo. Gengivas pouco saudáveis sangram facilmente e os milhões de bactérias presentes nas bocas pouco saudáveis inundam a corrente sanguínea e podem alojar-se em qualquer parte do corpo. Isto pode provocar doenças muito graves, e potencialmente fatais noutros órgãos, como, por exemplo, no coração. Por fim, é importante relembrar que animais que já sofram de outras condições (como doenças renais) ficarão muito piores devido às bactérias que circulam na corrente sanguínea e que se alojam nos órgãos comprometidos. 

Resumindo

Se quer ter um companheiro feliz e saudável e ver as despesas veterinárias reduzidas, dê-lhe apenas comida da mais alta qualidade e cuide dos seus dentes.  SIMPLES.

Tópicos sobre cavalos

image197

A Clínica Veterinária de Lagos tem um serviço móvel para atender os nossos clientes equinos. Conseguimos dar resposta à maior parte das necessidades dos cavalos, nomeadamente, vacinação, cólicas, lacerações oculares ou cirurgias de castração/ esterilização. Em seguida, listamos alguns dos problemas mais comuns que encontramos.

Problemas nos cascos

Os invernos húmidos podem provocar inúmeros problemas nos cascos do seu cavalo. Estar constantemente de pé em cima de lama molhada pode provocar várias doenças no casco. É o que acontece quando fica no banho demasiado tempo (se tiver tempo para isso) e os seus dedos ficam engelhados; as partes duras do casco ficam "maceradas".


A parede do casco é composta pela mesma substância que as suas unhas, a queratina. Aos poucos, a parede do casco vai amolecendo e pode dobrar (muito ligeiramente). Isto significa que os mecanismos de defesa natural da parede do casco ficam comprometidos. Em seguida, vou apresentar-vos alguns dos problemas que isto pode provocar. 

Abcessos nos cascos e nos dedos

Dado que a integridade da parede do casco fica comprometida, este torna-se mais vulnerável a infeções bacterianas. Estas bactérias podem atravessar buracos muito pequenos, e estes buracos podem ser provocados quando a sola macia do casco pisa algo afiado ou muito duro. As bactérias também podem entrar pelos rebites da linha branca (a circunferência branca interior à volta da parede do casco); é assim que a maior parte dos abcessos nos dedos se começam a formar.


Quando os cavalos não têm ferraduras em condições húmidas, o tecido do casco à volta da linha branca pode estar demasiado fraco para resistir à colonização de bactérias oportunistas.


Ao desenvolver abcessos nos cascos, o cavalo fica coxo rapidamente.


Um profissional de saúde veterinária deve cortar o abcesso, certificando-se de que deixa um orifício suficientemente grande para que este não volte a fechar e a formar um novo abcesso. Pode-se colocar uma cataplasma ou um curativo iónico (salgado) no local da lesão para auxiliar na expulsão do líquido inflamatório (que se dá por osmose). É muito difícil manter estes curativos no lugar sob condições húmidas, por isso, nestes casos, é muito útil utilizar uma bota para cascos.


Normalmente, as bactérias que provocam este tipo de infeções são sempre vulneráveis à penicilina, pelo que um tratamento de injeções de penicilina durante três a cinco dias ajuda o animal a recuperar rapidamente dos abcessos.


Por fim, é muito importante relembrar que o ambiente que estas bactérias criam é perfeito para a proliferação de Clostridium tetani. As espécies animais têm reações muito diferentes ao tétano, e os cavalos são particularmente sensíveis a doenças tetânicas. Estas doenças provocam rigidez completa dos músculos do corpo do cavalo e os indivíduos que contraem este tipo de doença devem ser abatidos.


Os cavalos têm de ser vacinados anualmente contra o tétano, para terem anticorpos suficientes que impeçam que estas doenças os debilitem. Em Portugal não existe a antitoxina contra o tétano, uma injeção que absorve o veneno tetânico em cavalos não vacinados, por esta razão, é ainda mais importante que se certifique de que o seu cavalo tem as vacinas contra o tétano em dia.

Hematomas

À medida que a camada dura do casco fica mais mole, torna-se mais propensa a traumas hemorrágicos. Quando o terreno está enlameado, o cavalo tem dificuldades em ver e evitar as pedras "submersas" na lama. Sob estas condições, é muito provável que seu cavalo sofra uma contusão. As contusões provocadas pelo solo costumam ocorrer nas partes laterais do casco. Se esta lesão ocorrer, é frequente observarmos um tom avermelhado na superfície o casco quando o limpamos (a não ser, claro, que o casco seja preto).


É possível que o cavalo fique coxo, mas não é um sintoma frequente.


Os cascos podem ser endurecidos com variados químicos. Na nossa clínica, preparamos uma mistura para o efeito que contém formaldeído. Aplicado diariamente, este produto ajuda a recuperar o colagénio da parede do casco e a endurecer os tecidos duros. 

Infeções na linha branca

Estas infeções surgem na linha branca, na parte inferior do pé, e podem infetar toda a coroa do casco, chegando ao metacarpo.


Para eliminar estas infeções é necessária intervenção veterinária.


Limpar e verificar regularmente a sola do casco pode ajudar a detetar estas doenças precocemente .

Sapinhos ou febre da lama

Apesar de, tecnicamente, não ser uma infeção no casco, esta condição pode ser provocada por infeções dos tecidos macerados pelas condições húmidas (nomeadamente na parte de trás do casco).


Esta condição pode provocar um ligeiro coxeio.


A limpeza regular com iodo pode resolver infeções superficiais, mas é necessário um plano de injeções de penicilina para resolver casos mais avançados.


Se tiver alguma dúvida sobre os cuidados a ter com os cascos do seu cavalo, entre em contacto connosco.

Não é uma comichão... Muito agradável

Com o início do verão e a subida das temperaturas, começam a aparecer os Culicoides e outras espécies de moscas que picam e importunam os seus cavalos, mas isto já não é novidade nenhuma.


Comichão doce, ou comichão de Queensland como aprendi na universidade em Sydney é uma reação de hipersensibilidade do tipo 'tipo IV' à picada destas moscas. Esta dermatite provoca prurido e comichão. A maior parte dos sintomas clínicos resultam do cavalo se esfregar em praticamente tudo o que consegue encontrar. Normalmente, esta condição agrava-se no pico do verão, mas se o cavalo for particularmente sensível, pode apresentar estes sintomas durante todo o ano.


As lesões cutâneas costumam ser piores na base da cauda, no garrote, por baixo da crina e na zona dos ombros. Claro que as lesões podem aparecer noutros locais, nomeadamente nos lados da cabeça, nas pernas e entre elas.


O comportamento dos cavalos pode ficar alterado, e os animais que são mais sensíveis podem ficar muito inquietos quando as moscas zumbem à sua volta. Nada de novo.


É uma doença frustrante para todos os envolvidos: cavalos, cavaleiros, proprietários e veterinários. A melhor defesa é impedir que as moscas piquem o seu animal. Para proteger os seus animais pode abrigá-los ou colocá-los nos estábulos durante o amanhecer e o crepúsculo, alturas em que as moscas costumam ser mais ativas, mas as moscas são muito teimosas.


Também pode minimizar a exposição do seu animal às moscas se evitar zonas pantanosas ou áreas em que exista matéria vegetal em decomposição, locais onde as moscas proliferam. Frequentar zonas mais ventosas também pode ajudar porque as moscas não conseguem levantar voo tão facilmente com ventos fortes.


Existem vários repelentes de insetos que pode aplicar para proteger o seu animal, e há diferentes opiniões quanto ao melhor produto para este efeito. Na experiência do autor, repelentes de mosquitos, como o “Switch®” ou o “Swift®”, ou outros produtos que contêm citronela costumam resultar. Deve ter consciência de que qualquer produto tópico pode provocar alergias no seu cavalo; a alergia pode ser provocada por um produto sintético ou natural, como o óleo da árvore de chá; experimentar o produto é a única forma de saber se o seu animal é alérgico ou não.


Os cavalos que desenvolvam reações mais graves podem beneficiar de injeções de cortisona, prescritas pelo seu veterinário. Infelizmente, estas injeções são apenas uma medida de alívio temporário e imediato, não uma solução a longo prazo.


Na Clínica Veterinário de Lagos, produzi uma tintura em óleo que resulta em feridas abertas, diminuindo a sua atratividade para moscas. Possui propriedades antipruríticas e antibióticas. Curiosamente, também verifiquei que aplicar parafina nas áreas mais sensíveis diminui a frequência de pouso e de picadas de moscas.


Por fim, gostava de mencionar que o autor (no período que esteve na Austrália) verificou que, dar folhas de erva-sal aos cavalos, diminuía a sua atratividade para as moscas. Pode parecer irónico, mas ando à procura de um fornecedor português de forragem que contenha folhas de erva-sal. Se encontrar algum, aconselho-o a comprar alguma dessa forragem para o seu animal... e já agora, peço-lhe que me envie o contacto do seu fornecedor.